5 lições que aprendi ficando 4 meses sem compras Consumo Consciente

Quando decidi ficar um ano sem comprar roupas, sapatos e bolsas pareceu um desafio assustador para quem ama moda e sente que precisa estar atualizado. Mas é um exercício essencial para o autoconhecimento e o desenvolvimento do seu próprio estilo, principalmente se você sempre acha que falta algo no seu guarda-roupa.

Female clothes on hangers and shoes

Como estou no final do quarto mês do desafio já venho notando muitas diferenças, desde o que eu escolho consumir de informações no meu dia-a-dia até o olhar para as lojas e para as minhas roupas. E nada mais justo do que compartilhar com vocês as lições que já aprendi nestes 4 meses:

1. Você não PRECISA disso para viver 

Sabe quando surge um tendência e você pensa: “EU PRECISO desta roupa!” ? Então, quando você se desafia a ficar sem comprar, você começa a questionar e pensar nas consequências de ter uma tendência, fica claro na sua mente que você não se sentiria confortável usando algo só porque as outras pessoas têm porque aquela realidade não combina mais com o estilo de vida que você como uma pessoa segura de suas escolhas quer ter.

2. Aprendendo a escolher em quem se inspirar 

Quando toda nossa inspiração vem de perfis do instagram de lojas, garotas propagandas dessas lojas ou blogueiras que tem um estilo muito distante do seu, conseguir fugir desse consumismo é praticamente uma batalha perdida. Por isso, me peguei dando unfollow em diversos perfis e optando por sites de pesquisa de looks como Pinterest para me inspirar. Eu notei que selecionar em quem se inspirar e onde buscar estas informações é essencial para conseguir alcançar o meu objetivo e mudar meus hábitos. E isso não significou para mim deixar de seguir todas as pessoas que não repetem muitas roupas e sim no fato de entender o que me fazia gostar de acompanhar mais umas pessoas do que outras e analisar o que no estilo delas realmente me inspirava.

3. Entender que as possibilidades de combinação das roupas é imensa 

Nós não fazemos ideias de quantos looks diferentes podemos montar com a mesma calça até nos desafiarmos a fazer isto. Nesses quatro meses me peguei repetindo muitas vezes a mesma parte do meu armário, por mais que eu possa usar todas as roupas que temos, quando nós nos forçamos a conviver com as nossas roupas sem pensar em comprar novas, nós começamos a entender quais peças funcionam melhor no nosso corpo, para o nosso conforto e combinam com o nosso estilo.

4. Arriscar conhecer o armário de outras pessoas 

Minha mãe tem o corpo diferente do meu, mas com este exercício de ficar sem comprar, arrisquei muitas vezes usar uma peça dela que eu achava bonita para mudar o visual. Claro que não adianta você escolher o guarda-roupa daquela amiga que toda semana compra roupa nova, e sim de pessoas conscientes ou que estão tentando diminuir o consumo porque isso faz com que a troca seja mutua. Neste período eu tive um casamento e não queria repetir um vestido longo floral com fundo escuro que eu tenho (que inclusive é de um evento de troca), então lembrei que tenho uma amiga que ama esse meu vestido e tinha um vestido longo floral com fundo verde claro e propus para ela trocarmos os vestidos. E não é que deu super certo? Eu tive um vestido lindo que estava guardado no fundo do armário para usar e minha amiga está com um vestido que ela sempre adorou para usar quando quiser.

5. Pensar e repensar até que ponto vale a pena consumir 

Com o passar do tempo fica claro como o dia todo você é bombardeado de propagandas que te fazem pensar que você não é bom o bastante se não acompanhar o consumo. Você começa a pensar em tudo que você consome, como maquiagem, produtos para o cabelo e até mesmo alimentos. Ficar sem comprar é algo que te ajuda a se reconectar com o ambiente, a repensar o mundo que nós vivemos e onde estão parando todas as coisas que as pessoas consomem sem limites. Esta com certeza é uma das lições que mesmo depois que eu volte a comprar eu quero preservar por toda a vida.

E você, quanto tempo já se desafiou a ficar sem consumir algo? 


Fundadora do Entenda de Moda, estudante de Relações Internacionais, faz parte da ONG Ecosurf e mantém viva sua paixão e conhecimento sobre moda todos os dias, defendendo que moda e ativismo podem (e DEVEM!) caminhar juntos com muito estilo.

Observações

  1. Francielly Diz: abril 26, 2016 at 2:53 am

    Legal, eu estou nessa tb, e pretendo ficar um ano… não está sendo difícil, ja se passaram 4 meses e vejo que as vezes que tive vontade de comprar algo, foi totalmente sem necessidade.
    Acredito que no final do desafio, vou ter outra cabeça, vou ser a ja percebo q sou, mais consciente no meu consumo, que acaba refletindo em todas as minhas escolhas.
    É isso… vamos ver até lá. Força pra nós!

  2. Interessante sua reflexão, Patrícia!
    Eu não me considero muito consumista, no entanto, também estou procurando repensar o modo como me relaciono com compras. Por exemplo, penso muito mais antes de aquirir uma nova peça (preciso mesmo dela? combina com o que já tenho?), a qualidade dos produtos me preocupa mais (o tecido é feito a partir de uma fibra natural? o acabamento é bom? o caimento ficou adequado?).
    Outro dia fiz uma limpeza no meu guarda-roupa e descobri que poderia, tranquilamente, viver com 1/3 das minhas roupas/calçados e ainda assim produzir looks bacanas. E olha que eu não tenho muitas peças :p
    Abraço e boa sorte na sua jornada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *